A Resenha: tudo sobre o amor (bell hooks)

Um tema recorrente em nossa vida; uma nova visão. Tudo sobre o amor, da referenciada ativista e escritora bell hooks (assim, declaradamente escrito em letras minúsculas) é um convite para repensar aquilo que temos como certo e, ao mesmo tempo, tão incerto: o amor. 

Não se trata de um livro de autoajuda, embora muitas vezes se assemelhe a um. Contudo, a autora intenta dar uma leitura crítica à nossa visão sobre o amor e aquilo que o permeia. Seu primeiro desafio é definir exatamente o que é amor. Mesmo que naturalizemos o “te amo” em nossas vidas, muitos de nós possuímos dificuldades em explicar e entender o que é o amor. A autora é clara: amor é ação. Amamos porque escolhemos amar.  

Essa concepção de amor é obviamente diferente daquela que, muitas vezes, é associada com a ideia de amor romântico: o amor vem (e vai embora), o amor aparece, o amor é uma dádiva. hooks reitera no seu livro como devemos diferenciar o amor da carência e associá-lo ao cuidado diário, ao desejo de amar e à construção. O amor não é fácil, ainda mais se a sua primeira experiência de amar – aquela que retoma o seio familiar – foi disfuncional nos primeiros anos de vida.  

A autora é categórica em dizer que amor e a violência são extremos opostos. Um ambiente violento nunca será um ambiente de amor. Ao longo do livro, hooks trata do amor em suas diferentes formas reafirmando a necessidade de vivermos sob a ética do amor, uma ética amorosa. 

Tudo sobre o amor foi uma surpresa boa, uma leitura que não estava aguardando. bell hooks problematiza de forma instigante aquilo que temos como dado em relação ao amor, retoma escritos revolucionários para nos mostrar exatamente o poder revolucionário e transformador de viver sob uma ética amorosa. Nesse sentido, o amor é o caminho para o crescimento individual e coletivo. 

Em sua obra, o coletivo é exatamente retomado para compreendermos de que forma um ser consegue – e deve – retomar a sua coletividade, sua relação com o próximo, para fortalecer e abrir caminhos para seu próprio amadurecimento. A obra de bell hooks é uma contraposição ao pensamento individualizado e narcisista. Como a própria autora reitera, chama atenção em nossa sociedade a percepção de que podemos viver sem o amor e, até mesmo, não desviando a importância do amor-próprio, a autora critica veementemente os escritos de autoajuda, que reafirmam que devemos apenas nos amar, numa trajetória individual. O amor é necessariamente uma prática coletiva.  

A cânone escritora, que dedicou a sua vida para escritos sobre o feminismo e pensamentos antirracistas, não deixa de lado categorias e poderes importantes para compreendermos este fenômeno que é o amor: o patriarcado e o racismo. hooks reiteradamente suscita seus relacionamentos para apontar as disfuncionalidades que viveu no amor. A autora nos convida a participar da sua vida, remontando a linha de raciocínio e trajetória de sua vida pessoal para que possamos compreender de onde vem seu pensamento e aquilo que a motivou a escrever este tão árduo e belo livro.  

Para muitos, Tudo sobre o amor pode ser lido como um livro de autoajuda. Mas, ele pode ser também tomado como um livro vanguardista, que reitera o coletivo e problematiza algo que temos como dado em nossa vida, o amor. 

Ficha técnica: 

Editora: EDITORA ELEFANTE (1 janeiro 2021) 

Idioma: português 

Capa comum: 272 páginas 

ISBN-10: 6587235247 

ISBN-13: 978-6587235240 

Publicada em: Última atualização:

Autor: Heloísa Cristina Ribeiro

Heloísa Cristina Ribeiro é bacharel em Ciências e Humanidades e Graduada em Relações Internacionais pela Universidade Federal do ABC. Foi membro do Grupo de Estudos do Sul Global (GESG/UFABC), do comitê Gestor de Direitos Humanos da UFABC e atuou como Diretora de Assuntos LGBT do Diretório Central dos Estudantes na mesma instituição. Atualmente integra o time de Estudos e Pesquisas da Fundação Podemos.

Esse conteúdo não representa, necessariamente, a opinião da Fundação Podemos.

Newsletter
Quer saber mais sobre nossa atuação e ficar por dentro das novidades da Fundação? Assine nossa newsletter.
Enviar